quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Esperamos por você ... Primeira participação é gratuita !
Rua Terra Roxa, 160 - Tatuapé
(11) 2579-0427

Equipe ComMadre



terça-feira, 29 de outubro de 2013

Você não pode ficar de fora desse encontro !!! Imperdível ...
Nesta quarta só na ComMadre.


segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Hoje as 18:00 hs, traga seu filho ou filha para uma aula divertida, eles irão adorar ...
A primeira participação é gratuita !!!
(11) 2579-0427




sexta-feira, 25 de outubro de 2013

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Depressão pós-parto: a importância de um diagnóstico precoce.


Por Claudia A.B.Vila, psicóloga clínica com formação em Psicologia da Maternidade.
O pós-parto é um período de muita vulnerabilidade para o casal, principalmente para a mulher. Não só do ponto de vista biológico cujas alterações hormonais têm influência sobre a alteração do humor, mas também do ponto de visita psicológico já que a chegada do bebê traz muitas mudanças tais como a conscientização da nova realidade e as novas responsabilidades relacionadas a ela. Além disto, há as dúvidas e inseguranças que a mulher sente com relação às necessidades e bem estar do bebê. É um momento no qual a mulher precisa de proteção e carinho.
É muito comum nos primeiros dias que seguem o nascimento do bebê, a mulher sentir tristeza, vontade de chorar, irritabilidade e ansiedade. São sintomas comuns que fazem parte de um quadro que chamamos de baby blues ou tristeza materna e tendem a desaparecer espontaneamente no decorrer do 1º. mês de vida. Porém, caso persistam e outros sintomas tais como alteração de sono ou apetite (falta ou exagero), falta de energia, desatenção, falta de concentração, preocupação e medo em demasia sejam observados, é importante ficar atento, pois neste caso, pode se tratar de uma depressão pós-parto.
Uma revisão realizada por Lobato et al. em 2011, verificou que a depressão pós-parto é um  transtorno afetivo que atinge entre 10 e 15% das mulheres em países desenvolvidos, podendo atingir 40% em países em desenvolvimento.
Estudos mostram que a depressão pós-parte é decorrente de uma combinação de fatores biológicos, sociais e psicológicos, tais como falta de apoio do companheiro e familiares, nascimento prematuro ou morte do bebê,  dificuldades no parto e/ou na amamentação além de uma vida estressante, problemas de saúde da criança, dificuldades para o retorno ao trabalho e adversidades socioeconômicas.

É comum as mulher não falarem sobre seus sentimentos  e  continuarem cuidando dos seus bebês, já que é esperado que estejam felizes  com a  sua chegada  e aptas a cuidar deles.  Entretanto, a  depressão pós-parto é um problema sério  que precisa de tratamento adequado (psicológico/psiquiátrico)  para que o vínculo da mãe com o bebê seja preservado. Portanto quanto mais precocemente detectada, melhor será para o bem-estar da dupla mãe-bebê. 

quarta-feira, 16 de outubro de 2013